Hipotermia

CHOQUE PELO FRIO

A diminuição súbita na temperatura da pele, como a que resulta da imersão súbita ou da entrada de água fria no interior do fato isotérmico, provoca alterações fisiológicas profundas: há um imediato aumento da frequência cardíaca e da tensão arterial e um período de franca dificuldade ou mesmo de incapacidade de respirar. Mesmo nadadores experientes podem ser incapazes de coordenar a respiração com os movimentos natatórios e inalar água.

O aumento rápido de pulso e a hipertensão podem provocar uma falência da circulação em indivíduos fisicamente mal preparados. Se a vítima sobrevive a esta reação inicial as respostas orgânicas normalizam e a hipotermia começa a instalar-se.

HIPOTERMIA PROGRESSIVA

O mergulhador que não esteja convenientemente protegido para a temperatura da água em que está submerso vai sofrendo uma hipotermia progressiva (também designada sub-aguda ou crónica).

As causas mais frequentes da hipotermia no mergulhador são a exposição ao vento frio antes ou depois do mergulho, a escolha de um fato isotérmico inapropriado, o mergulho em água muito fria e os longos períodos de inatividade na água

Numa primeira fase, se o mergulhador abandonar a água, ou for retirado, com uma temperatura central de 33 a 35°C (hipotermia leve), apresenta-se consciente e a respirar espontaneamente. Apresenta algumas alterações, como o tremor muscular generalizado, sensação de frio nas extremidades que evolui para perda da sensibilidade e aumento da diurese que pode levar à desidratação. À dificuldade em desempenhar pequenas tarefas associa-se a lentidão do raciocínio e das reações, o que pode causar situações de perigo, porque o mergulhador não consegue manusear eficazmente o seu equipamento.

Se o mergulhador for retirado da água numa fase mais avançada de hipotermia, com uma temperatura central de 30 a 33°C (hipotermia moderada), apresenta dificuldade em responder a estímulos ou pode mesmo estar inconsciente. O tremor muscular persiste até ao limite em que é substituído pela rigidez muscular. A frequência e o débito cardíaco diminuem, a frequência respiratória diminui e consequentemente os tecidos corporais recebem menos oxigénio. A maioria das vítimas de hipotermia no mar morre nesta fase porque têm dificuldade em nadar ou manter a cabeça fora de água.

Se o mergulhador for retirado com uma temperatura central inferior a 30°C (hipotermia severa), apresenta-se inconsciente ou “semiconsciente” e o tremor muscular é substituído pela rigidez muscular. A respiração e o pulso estão deprimidos ou não detetáveis e o risco de paragem cardíaca é alta.

O primeiro socorro consiste em evitar mais perdas de calor retirando o mergulhador da água e colocando-o num local abrigado do frio e protegido do vento. A vítima deve ser manuseada com cuidado mantendo-a sempre dentro do possível na posição horizontal ao ser retirada da água para prevenir o colapso cardiovascular.

Nos casos moderados de hipotermia, em que o mergulhador está consciente deve retirar-se o fato isotérmico, vestir roupas quentes, fazê-lo ingerir bebidas quentes açucaradas e assim que possível introduzi-lo em água quente (40°C).

Em casos mais graves o companheiro de mergulho deverá proceder segundo as técnicas do Suporte Básico de Vida. Se a decisão for iniciar a reanimação cárdio pulmonar (RCP) não esquecer que só deve ser interrompida quando o mergulhador é aquecido.

Uma vítima de hipotermia grave deve ser conduzida o mais rapidamente possível para uma Unidade de Cuidados Médicos.

Se, por algum motivo, o mergulhador for obrigado a permanecer na água à espera de ajuda, deve adotar os seguintes procedimentos:

  • Adotar uma posição fetal, com a cabeça fora de água, joelhos encolhidos junto ao corpo e os braços entre as pernas (esta atitude aumenta o tempo de sobrevivência em 50%). Só nadar se estiver muito perto da segurança.
  • Mergulhadores em grupo devem permanecer juntos e abraçados (esta atitude minimiza a perda de calor e torna-os mais fáceis de detetar). Se possível, usar qualquer proteção adicional na cabeça. Evitar voltar a mergulhar antes de estarem bem aquecidos.

Nunca dar bebidas alcoólicas a uma vítima de hipotermia, pois estas aumentam a perda de calor do corpo.