Colete de Mergulho

FUNÇÕES

Vimos, no Módulo 4 – O Escafandro, que o colete de mergulho reúne duas funções: fixar a garrafa às costas do mergulhador e controlar a sua flutuabilidade. Foi então explicado de que forma o colete podia ser utilizado para fixar a garrafa às costas do mergulhador, mas na realidade esta é uma utilidade secundária. De facto, a verdadeira e principal função do colete é permitir o controlo da flutuabilidade do mergulhador durante a imersão e proporcionar flutuabilidade positiva à superfície, dando maior conforto e segurança nas duas situações.

A utilização do colete de mergulho é obrigatória por lei.

COLETE (JACKET)

É actualmente o mais utilizado no mergulho amador. O ar distribui-se pelas costas, ombros e flancos, até à zona ventral. É de utilização prática e existem modelos ajustáveis.

COLETE DORSAL (ASA/WING)

Normalmente utilizado pelos mergulha- dores técnicos, por ter uma grande capacidade de impulsão. Como o ar se distribui somente nas costas, o arnês fica liberto à frente, permitindo a fixação de várias acessórios, incluindo garrafas complementares.

COLETE DE COLAR (BABETE)

Pouco utilizado hoje em dia. Não serve de suporte à garrafa, que necessita de um arnês de fixação. O colete coloca-se pela cabeça e o ar distribui-se à volta do pescoço e na zona peitoral. É fixo com uma precinta subcutal e uma precinta de cintura.

CARACTERÍSTICAS

É formado por uma bolsa em tecido resistente (nylon ou outro material), que se pode encher com ar proveniente da garrafa através do primeiro andar do regulador (ar em pressão intermédia), com ar proveniente de uma pequena garrafa auxiliar (ar em alta pressão) ou à boca o que é francamente desaconselhado.

Alguns modelos têm saco duplo, isto é, uma câmara de ar interior em poliuretano, protegida por um invólucro exterior em tecido de nylon resistente à abrasão e aos cortes e perfurações.

Todos os modelos de colete possuem bolsos, onde podem ser acondicionados o segundo andar de emergência e a consola, peças do equipamento delicadas, que assim ficam protegidas e deixam de andar a arrastar pelo fundo.

Independentemente do tipo e do modelo, o desenho e construção do colete devem ter em atenção a comodidade do utilizador.

TRAQUEIA DE ENCHIMENTO

O colete possui uma traqueia, à qual está ligado um sistema mecânico de injecção de ar (Direct System) que tem uma válvula de enchimento, uma válvula de descarga e um bocal. Este mecanismo de enchimento é alimentado por uma mangueira ligada a uma saída LP (ar em pressão intermédia) do primeiro andar do regulador. A válvula de injecção de ar deve ser progressiva, de modo a permitir o enchimento suave e controlado do colete.

A descarga do ar é feita através da traqueia e do bocal, que permite também encher o colete à boca (desaconselhado). A traqueia deve ser de grande diâmetro de modo a permitir uma purga rápida do colete.

Em alguns coletes é possível optar por um segundo andar de emergência incorporado no sistema de enchimento. Esse segundo andar é servido pela mangueira que alimenta o mecanismo de injecção de ar no colete o que reduz o número mangueiras ligadas ao primeiro andar do regulador.

VÁLVULAS DE SEGURANÇA E PURGA RÁPIDA

Para evitar o rebentamento por enchimento excessivo e permitir a libertação rápida do ar, o colete tem válvulas de segurança e de purga rápida. Geralmente estas válvulas localizam-se em cima, junto ao ombro, e em baixo, atrás, junto do bordo inferior do colete. As válvulas dos ombros, incluindo a válvula da traqueia de enchimento, usam-se quando o mergulhador nada na horizontal ou de cabeça para cima. As válvulas de baixo são usadas quando o mergulhador se encontra de cabeça para baixo.

O manuseamento das válvulas de segurança deve estar perfeitamente automatizado, para que o seu acionamento seja imediato, em caso de necessidade.

ESCOLHA E AJUSTE

O colete deve adaptar-se correctamente ao corpo do mergulhador de modo a que este se sinta confortável, mesmo quando está completamente cheio. O colete deve ser escolhido em função do peso do mergulhador e do seu equipamento, não esquecendo o tamanho do tronco: se estiver demasiado largo, pode rodar em torno do corpo, se ficar demasiado apertado, torna-se desconfortável.

O mergulhador deve fazer um primeiro ajustamento das precintas com o colete vazio e de seguida deve enchê-lo, para se certificar que não lhe dificulta os movimentos depois de completamente cheio.

Durante o mergulho, devido à compressão do fato, há que proceder a novos ajustamentos das precintas para que o colete volte a ficar justo ao corpo (mas não apertado). Normalmente quando o colete está cheio, à chegada à superfície, é necessário aliviar de novo as precintas para que o mergulhador não se sinta muito apertado.

A precinta de fixação à garrafa é larga e robusta, com uma fivela de fixação por alavanca, que permite um forte e eficiente aperto, não deixando que a garrafa escorregue do suporte. É preferível fazer o aperto com a precinta molhada.

CUIDADOS

Tal como o regulador, o colete é uma peça relativamente frágil, que exige um acondicionamento cuidado. Após utilização deve ser passado por água doce e seco à sombra com algum ar no interior.

Para lavar o interior do colete, enche-se com água pelo bocal da traqueia até 1/3 da sua capacidade, agitando depois, de forma a que a água lave todo o interior. No fim despeja-se de novo pela traqueia de enchimento.

Deve haver um cuidado muito especial com os botões do sistema de injecção de ar. Estes botões devem estar sempre em perfeitas condições de funcionamento, para que nunca fiquem presos ao serem premidos. Se o botão de enchimento encravar aberto pode originar uma subida intempestiva, com muito graves consequências para o mergulhador, sobretudo se este não estiver treinado para atuar rapidamente sobre as válvulas de segurança.

Periodicamente, o sistema de enchimento deve ser revisto por técnicos habilitados.