Barbatanas

FUNÇÃO

Fundamentalmente, a barbatana é um prolongamento do membro inferior, aumentando a capacidade de propulsão e actuando como se fizesse parte integrante do mergulhador.

CONSTRUÇÃO E MATERIAIS

Depois das primeiras palas de propulsão, criadas por Corlieu em 1920, muitos modelos foram lançados no mercado. As barbatanas foram alvo de uma grande evolução e uma crescente especialização para diferentes actividades ou modalidades desportivas, como a natação à superfície, o mergulho livre, o mergulho com escafandro ou a competição de natação com barbatanas.

As barbatanas são constituídas essencialmente por duas partes:

  • O pé, que pode ter calcanhar fechado ou aberto, normalmente é moldado em diferentes tipos de material, de modo a ser suave e maleável mas sem perder rigidez estrutural.
  • A pala, que poderá ser simples ou ter nervuras intermédias, aberturas, canais ou outros artifícios que lhe proporcionem estabilidade, flexibilidade e força propulsora.

As características básicas que uma barbatana deve ter são as seguintes:

  • O plano da pala deve prolongar o eixo da perna e não o eixo do pé.
  • Deve ter nervuras suficientemente firmes para dar a rigidez necessária ao conjunto e canalizar os fluxos de água.

As palas podem ser feitas em diversos materiais (borracha, plástico, fibra de vidro, fibra de carbono, etc., muitas vezes utilizados em conjunto) e variam em tamanho e dureza. Quanto maiores e mais duras forem, mais água deslocam, tornando a propulsão mais rápida, mas mais exigente fisicamente.

A partir destes princípios gerais existe uma enorme gama de modelos, cujas características e eficácia resultam de diferentes concepções e detalhes, cada um com as suas vantagens para utilizações específicas.

O mergulho com escafandro, por exemplo, não requer o mesmo tipo de barbatana que a natação à superfície. No meio da massa líquida, a barbatana constitui um importante ponto de apoio e a sua função na evolução e controlo dos movimentos é, pelo menos, tão importante, como na propulsão propriamente dita. Pelo contrário, do mergulho em apneia, com excepção dos breves períodos de imersão, onde é fundamental que a propulsão seja feita com o mínimo esforço, a barbatana deverá assegurar longos trajectos à superfície.

TIPOS DE BARBATANAS

  • As barbatanas com calcanhar fechado ou pé fechado têm a vantagem de se adaptar melhor ao pé do mergulhador, formando um conjunto mais solidário e protegendo-o mais eficazmente, mas porque são justas apenas permitem o uso de meias de neoprene finas.
  • As barbatanas sem calcanhar ou de pé aberto, são utilizadas com botas isotérmicas, mais grossas e com sola de borracha consistente.Têm um desenho de pé mais largo, a contar com o volume da bota, o que as torna mais cómodas de calçar e descalçar.

ESCOLHER AS BARBATANAS

A escolha das barbatanas depende não só da experiência adquirida mas também das aptidões físicas do mergulhador. A dureza das barbatanas não deve ser excessiva, de forma a cumprir os seguintes requisitos:

  • Não ferir os pés.
  • Não exigir esforço exagerado.
  • Não se tornar dolorosa durante uma utilização prolongada.
  • Estar adaptada ao tipo de actividade praticada.

MANUTENÇÃO

Os cuidados com a manutenção das barbatanas são idênticos aos cuidados a ter com a máscara e o tubo, com a recomendação especial de armazená-las deitadas numa superfície plana, para evitar a deformação da pala.