Ajuda ao Companheiro

SINAIS QUE DENUNCIAM POTENCIAS PROBLEMAS

Para poder auxiliar um mergulhador é preciso reconhecer os sinais de que ele necessita de ajuda.

Um mergulhador com problemas mas com o controlo dos seus atos, geralmente pede ajuda e mantém os seus movimentos controlados e precisos, respira normalmente, responde ao que lhe dizem e até parece estar descontraído. Se o mergulhador entra em pânico, perde completamente o controlo, fica com um medo irracional e age por instinto com acções descontroladas.

Quando a situação se passa à superfície, geralmente fica com medo de se afogar e não é capaz de estabelecer flutuabilidade positiva. Frequentemente tira o regulador da boca, põe a máscara na testa e não ouve nada do que se lhe diz. Também começa a fazer movimentos bruscos e descontrolados e fica com os olhos muito abertos.

Debaixo de água esta situação é muito conflituosa, sendo necessário muita calma e cuidado para ajudar um mergulhador em pânico.

EXAUSTÃO E REBOQUE DE UM MERGULHADOR CANSADO

Há situações em que o mergulhador pode ficar tão cansado que não consegue respirar, tendo dificuldade em nadar até ao barco ou até à costa. Nestas condições, o companheiro deve criar-lhe flutuabilidade positiva e rebocá-lo, segurando-o pela torneira da garrafa ou empurrando-lhe as barbatanas, procurando acalmá-lo e pedindo a sua colaboração. Se a exaustão acontece debaixo de água, é preferível parar, controlar a respiração e, se necessário, iniciar a subida.

Existem alguns procedimentos básicos para ajudar um mergulhador exausto:

  • À superfície, o salvador deve aproximar-se da maneira mais conveniente, de modo a não se colocar numa situação de perigo. Deve estabelecer flutuabilidade positiva (enchendo-lhe o colete e se necessário tirando-lhe o cinto de lastro); deve tentar acalmá-lo e ajudá-lo a recuperar a respiração; se necessário, deve ajudá-lo a voltar ao barco ou a terra.
  • Debaixo de água é preferível aproximar-se por trás. Deve tentar manter o regulador do mergulhador em dificuldade na boca; deve ajudar na subida, operando o colete do mergulhador assistido. Estas situações necessitam de treino suplementar e requerem experiência e aquaticidade.

Para proporcionar uma ajuda eficaz, é aconselhável a frequência do Curso de Especialização em “Salvamento”