Afogamento

Cerca de 15% dos afogamentos são secos, isto é, devido a um severo espasmo da laringe não há aspiração de água para os pulmões. Os restantes afogamentos independentemente de acontecerem em água doce ou salgada, provocam a destruição do surfactante da parede alveolar, lesionando e levando ao colapso dos alvéolos, que perdem a capacidade de efetuar as trocas gasosas com o sangue.

Uma agressão pulmonar, como é a introdução de água, pode também provocar um edema pulmonar, ou seja, a libertação de líquido dentro dos pulmões.

O afogamento constitui normalmente o mecanismo final de morte na maioria dos acidentes de mergulho.

SINAIS E SINTOMAS

  • Dores torácicas.
  • Enjoo e vómitos.
  • Dificuldade respiratória, tosse e expetoração mucosa.
  • Coloração azul da pele (cianose).
  • Perda de consciência.
  • Paragem respiratória e/ou cardíaca.

A primeira prioridade na recuperação e salvamento deste acidentado é, eventualmente, a ventilação com ar expirado ainda dentro da água. No caso de, à chegada à superfície, ser detetada a paragem respiratória, a vítima deve ser assistida de imediato com ventilação artificial, que se deve manter durante o reboque até à chegada a um local seguro (embarcação ou terra).

Uma vez em local mais seguro, o socorrista deve aplicar as técnicas do Suporte Básico de Vida (Curso de Especialização de Mergulhador Socorrista), tendo sempre a preocupação de manter a vítima numa posição horizontal.

Um mergulhador acidentado que apresenta sintomas de afogamento necessita de níveis muito altos de oxigénio para combater os efeitos nocivos da hipóxia. Por isso, se possível, deve proceder-se de imediato à administração de oxigénio a 100% com um débito de 15l/min (Curso de especialização em Administração de O2). A administração de oxigénio deve continuar a ser feita durante a ventilação artificial ou reanimação cárdio pulmonar (RCP), se estes procedimentos forem necessários.

Após recuperada, a vítima de pré afogamento deve ser transportada de imediato para a unidade de cuidados médicos mais próxima, para prevenir complicações pulmonares resultantes do acidente.